domingo, 5 de fevereiro de 2012

Situação administrativa em Itapirapuã é ruim e reclamação da população aumenta!


O desmazelo administrativo impera na cidade de Itapirapuã e tem sido tema para várias publicações aqui blog. Mostramos o depósito de sucatas e carcaças de veículos no pátio do Hospital Municipal, a situação precária em que se encontram ruas e avenidas, todas cheias de buracos, a ponte caída da GO-432, a situação da rodovia de acesso a Jacilândia, a feira coberta com o piso e o teto cheios de buracos, os veículos do transporte escolar sucateado, a quadra JK abandonada, a situação caótica da saúde e tantos outros descasos.
A POPULAÇÃO RECLAMA E DENUNCIA
A própria população tem solicitado as denúncias, reclama e exige melhor atuação da atual administração. “O Itapirapuense” tem sido onde a voz do povo ecoa de forma livre e democrática, um direito sagrado que precisa ser respeitado. São moucos os ouvidos dos responsáveis, pelas providências e nada é resolvido. Mas não podemos deixar de divulgar os desmandos, isso precisa continuar sendo feito sempre, de forma incansável e veemente porque pelo menos todos saberão a fragilidade de uma gestão que se propunha salvadora da pátria, verdadeiros milagreiros donos da verdade e solução para tudo, mas que se mostram um verdadeiro fiasco, o maior calote e estelionato eleitoral da história da nossa querida Itapirapuã.
DENÚNCIAS NO FACEBOOK
No Facebook chovem cobranças e denúncias a respeito das mazelas administrativas praticadas na cidade. Bem humorados alguns banners publicados são compartilhados, bem comentados e muito curtidos. O interessante de se notar é que os internautas que arriscavam fazer a defesa do alcaide de forma aberta foram diminuindo a cada dia e hoje resumem-se a alguns gatos pingados, não chegando a cinco defensores, incluindo aí uns dois que se escondem por detrás de perfil falso, sem falar que para fazerem a defesa apelam para todo tipo de baixaria e agressividade, e mentiras também. Os dois perfis falsos, o "Itapirapuã Goiás" e o "Eleições Participe" dão tanto na cara e são tão imorais que acabam denegrindo mais ainda a imagem que pretendem defender, sem falar que se mostram notadamente feitos de encomenda.  
MECÂNICO RUIM DE SERVIÇO ADMINISTRATIVO
Umas coisas precisam ser lembradas, para não se repetirem da forma maligna e enganadora novamente. Pregavam que para consertar a situação, mostrada como a pior na época, seria necessária a eleição do mecânico, a cidade precisava do tostão contra o milhão, um verdadeiro terrorismo eleitoral se implantava. E agora, tudo foi resolvido? Não, conseguiram piorar e arruinar mais ainda o que dizia estar ruim. O mecânico é péssimo de serviço, passou para o time dos milhões e abandonou o pessoal do lado do tostão, inclusive o partido pelo qual se elegeu.
Mas se a gente analisar com um pouco mais de profundidade a situação, a forma como esse pessoal conquistou a eleição, a composição da equipe administrativa e o modo como tratam a coisa pública, a conclusão a que se chega não é outra que não seja o fracasso total mostrado em todas as áreas praticamente.
FIZERAM PROMESSAS DEMAIS
Na campanha eleitoral prometeram tudo, três casas construídas por mês, casa de apoio em Goiânia, creche em todos os setores, escolas, praças, abertura de ruas, bueiros, asfalto, estradas boas, tratores, ônibus para transporte escolar, suíte para o médico plantonista morar no hospital, time da cidade, transparência, e tantas ouras promessas. Destaque para a promessa mais praticada, a de que daria emprego a todos na prefeitura. Alguns cargos e secretarias foram prometidos a muitos eleitores, até a concessão do bar da rodoviária foi prometido a mais de dez pessoas. A maioria dos seus eleitores o abandona pelas promessas não cumpridas, reconhece hoje no mecânico o caloteiro insano da época das eleições.
DOIS VICES E UM SALÁRIO, O DILEMA
Como esquecer a troca dos vices na calada, na sexta-feira que antecedeu as eleições e que foi ocultada do eleitorado? Porque não divulgaram no serviço de som e carreatas que ainda aconteceram? Todos os votos dados a eles, pelo grosso do eleitorado, foram dados enganados, a uma chapa cuja verdadeira composição só foi conhecida na segunda-feira quando apareceu na internet a nulidade dos votos deles pelo TRE até que a situação se resolvesse. Os eleitores votaram numa chapa que levava um vice substituído por outro que não apareceu na campanha, que não mostrou seu plano de trabalho, não foi conhecido e não teve legitimidade no mandato pra nada até agora, já que não recebeu nenhum voto, a sua foto ou nome não foi mostrado na urna eletrônica na hora do voto. Até hoje ainda tem pessoas na cidade que não sabe dizer com segurança que é o verdadeiro vice-prefeito de Itapirapuã. No início eles mesmos e o prefeito se diziam dois vices. O que se fala na cidade é que até dividem o salário como parte do acordo que fizeram para silenciar, na véspera da eleição, o candidato a vice substituído. Claro que o cargo de vice-prefeito não tem tanta importância assim, mas roubar uma agulha também não, segundo o pensamento de alguns, mas o que vale é o gesto, a conduta e a intenção que o ato pode prometer.
DESCONHECEDORES E FESTEIROS
Entre tantas demonstrações de incapacidade e má fé outra que assustou e provocou rodas de conversas por toda a cidade logo de início, foi a composição da equipe e secretariado onde no segundo mês quase todos foram substituídos. Uma prova clara de que não conheciam nada da máquina administrativa, equívoco total sobre o que pretendiam fazer. O município foi perdendo tempo e a administração perdendo credibilidade.
É uma administração festeira, gastam rios de dinheiros em eventos festivos onde uma parcela da população tem sido beneficiada em detrimento dos demais. O exemplo de gastos excessivos tem sido visto nos réveillons, carnavais e Rally de Bóias. Deram uma pompa demasiada grande e fora da realidade e possibilidades do município aos eventos ditos "os maiores da história da cidade e da região". Não conseguiram dar a mesma pompa das festas aos serviços de primeira necessidade como saúde, estradas, assistência social, moradia, educação. 
ADMINISTRAÇÃO AGACHADA DE PIRES NA MÃO
Adotaram em Itapirapuã uma administração de pires na mão, agachada perante deputados federais em busca de emendas parlamentares como fonte única de investimentos no município. Um verdadeiro pula-pula, de galhos em galhos foi visto na eleição estadual quando apoiaram dois candidatos a governador derrotados e depois ainda aderiram ao vitorioso. Um desespero frenético cuja imagem que passam para a cidade é a de oportunismo descarado e incapacidade de construir algo com recursos próprios. A única construção de vulto até agora com recursos exclusivos do município deve ser o banheiro no cemitério local, com menos de 10 m2 de área construída. Essa estratégia falida e equivocada não rendeu os benefícios esperados. O asfalto conseguido e construído foi em menor quantidade que o construído por prefeitos em mandatos anteriores.  Uma quadra e uma creche em construção não superam obras conseguidas por outros prefeitos, como o prédio do Fórum, por exemplo. Na área da habitação, perde feio para as casas construídas esparramadas por toda a cidade na gestão passada, sem falar nas duzentas casas construídas por outro prefeito em gestão mais anterior. Até hoje a atual gestão não construiu nenhuma casa. Desde o início priorizaram a busca de carros velhos apreendidos no contrabando pela Receita Federal na divisa do Paraguai. Tem carros e sucatas espalhados por todo lado em Itapirapuã, cuja maior serventia tem sido gerar despesas e transtornos para a própria população. Ninguém sabe o que fazem com os recursos da prefeitura, não há transparência na aplicação do dinheiro.
PANELINHA E ISOLAMENTO
Do grupo político que atuou para a eleição do mecânico quase ninguém restou, a maioria abandonou o barco que se afunda, e ainda vai sair mais. As pessoas de bem não compactuaram com as mazelas praticadas. Uma pequena panelinha, quase só de parentes e ex-parentes, companheiros mais antigos e uns poucos oportunistas aderidos em troca de empregos ou secretaria estão no grupo político do prefeito que se isola mais a cada dia.
A BRIGA PELO VOTO DE NOVO
Chegou o ano eleitoral e agora será a vez da onça beber água. É preciso disputar a reeleição, se não o fizer atesta fracasso na própria gestão. Vai ser preciso muito óleo de peroba e boa lábia para enfrentar novamente o eleitorado, de casa em casa e nas praças públicas. Será preciso explicar e convencer sobre o descumprimento de cada promessa que fez, terá de justificar o fracasso e incapacidade na gerência de áreas importantes e vitais como a saúde, por exemplo, onde coloca o paciente, que agora é o eleitor que visita, para aguardar uma consulta agendada para até trinta dias. Vai haver o enfrentamento com a oposição onde as cobranças agora serão sobre seus atos, sobre sua administração.

Um comentário:

  1. Nilson,parabéns pela reportagem,espero que este ano seja eleito um prefeito que realmente seja compromissado com a cidade.

    ResponderExcluir